5 dicas para agilizar o processo de vacinação (no seu centro de saúde) — Aurora Innovation



2021-02-16

5 dicas para agilizar o processo de vacinação (no seu centro de saúde)



Menos de um ano depois do início da pandemia, países de todo o mundo começaram as suas campanhas de vacinação contra a COVID-19. Ainda que a diferentes velocidades, as estratégias de inoculação são um dos últimos redutos de esperança na batalha contra o coronavírus SARS-CoV-2. No entanto, é necessário agilizar o processo de administração destes fármacos profiláticos com a introdução de melhorias técnicas. Fique a conhecer 5 dicas para melhorar o processo de vacinação na sua unidade de saúde.

O processo de vacinação será tão eficaz quanto a rapidez estratégica da sua implementação. A imunidade de grupo é um enorme trunfo na batalha contra o agente infecioso que parou o mundo em 2020 e agora em 2021, mas para isso é preciso priorizar as populações mais vulneráveis no acesso ao antigénio numa lógica de justiça social e maior benefício.

Grupos prioritários

A definição de grupos prioritários é fundamental no desenho do plano de inoculação. O seu cumprimento à risca, sem desperdícios ou arbitrariedades, tornará o plano socialmente aceitável e exequível. Uma vez definidos esses grupos, as unidades de saúde devem dotar-se de estratégias de comunicação para chegar às populações-alvo. Não basta saber quem se pretende vacinar, é preciso saber como chegar a essas pessoas.

Após se vacinarem os profissionais de saúde na linha da frente contra a COVID-19, bem como os cidadãos institucionalizados em lares de terceira idade, Portugal iniciou em fevereiro a vacinação de cerca de 900 mil portugueses com mais de 80 anos ou com 50 anos e doenças de risco. A primeira e principal forma de chegar a estes grupos populacionais anunciada pelas entidades públicas foi o envio de um SMS. Em Portugal, é sabido que o número de idosos com telemóvel e/ou capacidade técnica para receber ou enviar mensagens é bastante reduzida. Por outro lado, a ansiedade à volta do processo de vacinação incrementa o desejo do acesso à mesma. Afinal de contas, estamos a falar da sobrevivência humana.

Depois do anúncio do início do processo de vacinação destes grupos prioritários, e da forma de contacto com as populações pertencentes aos grupos vulneráveis, as unidades de saúde local de Portugal foram inundadas com telefonemas de idosos preocupados com a possibilidade de as entidades públicas não os conseguirem contactar logo numa primeira abordagem pelo facto de não possuírem ou não saberem usar um telemóvel.

Num processo de larga escala como é a inoculação contra a COVID-19, é essencial antecipar constrangimentos para manter as populações informadas e a par do plano de imunização. A fluidez e aceitação deste processo será proporcionalmente igual à sua transparência. Existem algumas inovações técnicas que podem ser introduzidas nas unidades locais de saúde para facilitar a comunicação, manter a população informada e tornar o acesso à vacina numa experiência segura, esclarecida e serena.

1. Ter um número de telefone específico

Na Suécia, algumas unidades de saúde criaram um número de telefone específico para dar resposta a todas as questões dos utentes relacionadas com o processo de vacinação. O paciente liga, deixa os seus dados, é encaminhado telefonicamente para a resposta mais adequada à sua dúvida e é contactado num prazo de 10 dias – sendo informado disso – para um melhor esclarecimento acerca do assunto em questão.

2. Estabelecer linhas de apoio diferenciadas

Outra estratégia poderá assentar na criação de, por exemplo, três linhas de espera diferentes para apoiar o processo de vacinação. Ao contactar o centro de saúde, o utente é reencaminhado para um menu para poder escolher uma das três opções: marcação de consulta ou tratamento, esclarecimento de dúvidas acerca da COVID-19 ou marcação da vacinação. Outra vantagem deste sistema é que mesmo não havendo a possibilidade de um atendimento telefónico imediato, o utente sabe que o seu contacto ficou registado. Por outro lado, se for caso disso, é possível definir-se uma mensagem de voz com a informação de que o sistema está sobrecarregado. Desta forma nenhum utente desliga a chamada com menos informação do que antes de fazer o telefonema.

3. Voicemail

Outra opção cada vez mais recorrente é a possibilidade de os utentes deixarem mensagens de voz. Em caso de bastante procura das linhas de atendimento, o paciente poderá deixar a sua informação e dúvida através do voicemail. Assim, o administrador do sistema inteirar-se-á da dúvida em questão, permitindo devolver uma chamada ou enviar um SMS com o agendamento de uma consulta ou esclarecimento de dúvidas.

4. Reduzir a pressão sobre os canais de comunicação e comunicar para cada público

As entidades públicas devem garantir que se adaptam e chegam às populações e não o contrário. A existência de carências estruturais torna essencial que o processo de vacinação responda às necessidades das populações de forma justa, equitativa e proporcional. Para evitar o entupimento das linhas de telefone das unidades de saúde com dúvidas sobre a vacina, deve facilitar-se o processo e desenhá-lo o mais possível para os grupos vulneráveis. Se o telefone fixo é o principal meio de contacto com um determinado grupo de risco, esse deverá ser o meio preferencial na primeira abordagem. Tal evitará entropias à volta do acesso à vacina.

5. Tornar o processo simples, sem colocar em causa o acesso a outros cuidados de saúde

Ao planear-se a vacinação de uma população deve garantir-se que não se dificulta o acesso dos utentes às unidades de saúde para tratamentos não-COVID. Os doentes devem continuar a ter a porta aberta para o atendimento e tratamento de outras patologias, sob pena do agravamento do estado de saúde da população.

Conclusões

A chegada da vacina contra a COVID-19 à população deve ser um momento de alívio e descompressão. Por isso, é preciso agilizar o processo de vacinação e torná-lo simples, claro e transparente. É essencial manter as populações esclarecidas e tranquilas. Tal reduzirá o stress e pressão sobre as unidades e profissionais de saúde. Um sistema de comunicação adequado e algumas melhorias técnicas poderão fornecer um importante contributo. Uma população informada é uma população com mais saúde.